TDAH

Untitled Document

O que é TDAH

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma doença neurobiológica de origem genética, cujas causas também têm relação com fatores biológicos e ambientais.1 A doença se manifesta sempre na infância, fase em que pode ser percebida por causar prejuízos na vida da criança, tanto em relação ao seu desempenho escolar, quanto a suas relações. Em metade dos casos, o TDAH acompanha o indivíduo durante toda sua vida, passando pela adolescência até a vida adulta.2

Entenda o que é TDAH | Fonte: EBC | 27/08/2015

Dúvida de muitos pais: é transtorno ou travessura? | Fonte: Gazeta do povo | 11/07/2015

Na prática, as pessoas com TDAH apresentam um sintoma ou um conjunto de sintomas. Esses sintomas são divididos em três grupos: desatenção, agitação (hiperatividade) e impulsividade.3 Na infância, a criança com o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade geralmente tem dificuldade de aprendizado e de relacionamento nos ambientes em que convive. Já na adolescência, além dos prejuízos escolares acumulados desde a infância, há prejuízos na autoestima e nas relações sociais, além de maior risco de acidentes e uso de drogas, por exemplo, por conta da impulsividade. Na vida adulta, o TDAH dificulta as relações e a permanência no trabalho, por exemplo, além de se manifestar através de décadas de prejuízos acumulados (baixa escolaridade, dificuldade de relacionamento interpessoal, etc.).4

Embora a desatenção e a hiperatividade apareçam associadas muitas vezes, nos pacientes com o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, existem pessoas que têm o predomínio da desatenção e outras, o da hiperatividade, assim como existem casos mais leves e casos mais graves de TDAH.

É importante esclarecer que nenhuma criança pega ou desenvolve TDAH. A criança nasce com esse transtorno neurobiológico. Os estudos nos mostram que os genes estão envolvidos nisso, e a criança com TDAH tem prejuízo acadêmico e social, por isso é preciso tratá-la.

- Dr. Gustavo Teixeira, médico psiquiatra da infância e adolescência, professor visitante da Bridgewater State University e mestre em Educação pela Framingham State University. CRM-RJ: 736.341

Atenção: nem toda pessoa agitada, desatenta ou impulsiva tem TDAH!

É importante ressaltar que o diagnóstico do TDAH é fundamental para garantir a qualidade de vida de crianças, jovens e adultos com o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Da mesma forma, é preciso ter em mente que nem toda criança agitada e desatenta tem TDAH – de 5 a 8% das crianças em idade escolar têm TDAH.5

Muitas outras doenças e condições resultam na manifestação dos mesmos sintomas do TDAH. Por exemplo, uma criança que não consegue prestar a atenção na aula pode estar com dificuldade para enxergar ou para dormir – e não necessariamente tem o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, apesar de estar desatenta.

Dessa forma, o diagnóstico do TDAH deve ser feito por um médico especializado. No caso de crianças, recomenda-se um psiquiatra com experiência em desenvolvimento infantil ou neurologista pediátrico.

Referências

1. Mayo Foundation for Medical Education and Research. Attention deficit hyperactivity disorder (ADHD) in children. Disponível em: http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/adhd/basics/causes/con-20023647. Acessado em: 14 de set. de 2015.
2. McGovern Institute for Brain Research, MIT. Inside the adult ADHD brain, 2014. Disponível em: http://mcgovern.mit.edu/news/news/inside-the-adult-adhd-brain/ Acessado em: 29 de ago. de 2015.
3. Mattos, P. O que mudou no diagnóstico do TDAH com a nova edição do DSM-5, o Manual de Estatística e Diagnóstico de Transtornos Mentais, 2013. Disponível em: http://www.tdah.org.br/br/artigos/textos/item/964-entenda-o-tdah-nos-crit%C3%A9rios-do-dsm-v.html Acessado em: 23 set. 2015.
4. Newcorn JH, Weiss M, Stein MA. The complexity of ADHD: diagnosis and treatment of the adult patient with comorbidities. CNS Spectr. 2007;12(suppl 12):1–14. quiz 15–16
5. Wilens TE, Faraone SV, Biederman J. Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder in Adults. JAMA. 2004;292(5):619-623.