Catarata

O que é catarata

A catarata é a doença que mais causa cegueira no mundo, responsável por 42% de todos os casos, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).1 Apesar de não haver nenhuma forma de evitá-la, a boa notícia é que atualmente já existe tratamento seguro e eficaz para a catarata, capaz de devolver a qualidade de vida ao paciente.2

A catarata é uma condição natural que ocorre ao longo do tempo e não pode ser tratada ou prevenida através do uso de medicamentos ou alimentos. A única maneira de tratar a catarata é através de uma cirurgia.1




Apesar do grande número de pessoas diagnosticadas anualmente com catarata, devido aos avanços na técnica e nos equipamentos, a cirurgia é cada vez mais frequente, sendo um procedimento de curta duração e seguro, realizado milhares de vezes todos os dias em todo o mundo.2

Hoje, já existe uma opção mais moderna de cirurgia de catarata a laser, realizada através do equipamento LenSx Laser.2 O procedimento permite inclusive usar lentes modernas e de alta tecnologia, capazes de corrigir outros problemas de visão durante a cirurgia de catarata (como miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia), mesmo que o problema tenha surgido antes. Com isso, a cirurgia para o tratamento da catarata pode diminuir ou até eliminar a necessidade dos óculos para enxergar, tanto de perto quanto de longe.3

A catarata ocorre quando a lente natural de dentro do olho (chamada de cristalino) começa a opacificar, afetando a visão do paciente: objetos se tornam borrados, as cores desbotadas e enxergar à noite torna-se muito mais difícil. Com o tempo, a doença avança e o cristalino fica cada vez mais opaco, barrando a entrada de luz e podendo afetar a visão de forma grave e completa3.

Para que os pacientes não sofram com as consequências da catarata e, mais importante, não percam qualidade de vida, é fundamental que qualquer pessoa quando perceber qualquer sinal de que a visão está piorando (como diminuição da capacidade de ler de perto, mudança do grau dos óculos com frequência, dificuldade de ler em cores com baixo contraste) especialmente após os 50 anos1, procure um médico especializado. Sinais e sintomas de perda visão não devem ser encarados como parte natural do processo de envelhecimento e podem significar que há algo de errado.

O tratamento da catarata está cada vez mais avançado, sendo realizado por meio de uma cirurgia tranquila e de curta duração para a substituição da lente natural do olho que está opacificada (cristalino), por uma lente artificial intraocular.4 Vale destacar que essa lente é bem diferente das lentes de contato, pois ela é colocada dentro do olho, de forma definitiva, através de um processo cirúrgico.

A cirurgia de catarata pode ser realizada através de duas técnicas: a manual, que é uma técnica tradicional, e a técnica a laser, mais moderna que elimina a necessidade de uso de bisturis e, ao mesmo tempo, aumenta a precisão da cirurgia e diminuído tempo de recuperação pós-cirúrgico. 3

Normalmente as lentes intraoculares utilizadas na cirurgia de catarata possuem um filtro contra os raios ultravioletas (UV) emitidos pelo sol. Há ainda uma opção de lente intraocular com filtro amarelo, que protege o olho da exposição à luz azul, que é prejudicial aos olhos e que, com o tempo, pode causar danos à retina e levar a outras doenças oculares, como a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI). A luz azul é comumente emitida por equipamentos eletrônicos, principalmente os que possuem tela de LED, como TVs, celulares, tablets e computadores.5,6

A cirurgia de catarata é realizada uma única vez (sendo um olho operado de cada vez). Por isso, é fundamental que o paciente converse com seu médico abertamente e entenda todas as opções de cirurgia e de lentes intraoculares que tem à sua disposição antes de tomar alguma decisão. A opção por determinada técnica cirúrgica e tipo de lente intraocular para tratar a catarata é muitíssimo importante, e deve levar em consideração não apenas a condição de saúde ocular do paciente, como seu estilo de vida.7 A escolha implicará na qualidade de vida do paciente para o resto da vida após a cirurgia.

Existem diversos tipos de lente intraoculares. Cada tipo pode ser mais indicado para determinado perfil de paciente e seu estilo de vida. Por isso, pessoas que realizam frequentemente atividades que exigem mais a visão para longe, como dirigir e praticar esportes, podem ter uma indicação de lente diferente de quem daquelas que utilizam mais a visão para perto, para leitura e utilização de computador, por exemplo. Já alguém com catarata e astigmatismo, preferencialmente, deve tratar os dois problemas de uma só vez. De qualquer maneira, a melhor opção é aquela que irá trazer mais comodidade e qualidade de vida ao paciente, minimizando a necessidade do uso dos óculos durante as atividades do dia a dia.

Vale destacar que a visão está diretamente ligada à independência e à qualidade de vida de qualquer pessoa. A perda da visão impacta na realização de atividades do dia a dia, como ler, dirigir, trabalhar e até mesmo se divertir e se relacionar com familiares e amigos. Além disso, a perda da visão está também relacionada a uma série de doenças secundárias, como depressão, diabetes, problemas de audição, acidente vascular cerebral, quedas e tombos, declínio cognitivo, doença de Alzheimer e até mesmo à morte prematura.7


Outros problemas de visão bastante comuns e que podem ser tratados na cirurgia de catarata

  • Miopia: pessoas que tem miopia conseguem enxergar de perto, mas têm dificuldades para enxergar objetos à distância.
  • Hipermetropia: pessoas que tem hipermetropia conseguem enxergar objetos à distância, mas têm dificuldades para enxergar de perto.
  • Astigmatismo: o astigmatismo é um problema visual bastante comum que afeta cerca de 80% das pessoas. Ele ocorre devido à presença de irregularidades na córnea (uma curvatura desigual). A córnea irregular distorce os raios de luz que entram no olho e torna difícil focar corretamente para qualquer distância.
  • Presbiopia ou “vista cansada”: nesta condição, o cristalino vai endurecendo, perdendo sua flexibilidade e capacidade de focar. Isto resulta em uma perda gradual da capacidade de enxergar de perto. Ler, por exemplo, vai ficando cada vez mais difícil, causando perda de independência do paciente e a necessidade de usar óculos de leitura. A presbiopia é o primeiro passo para a catarata.


O que acontece no olho de quem tem catarata?

Quando uma pessoa olha para um objeto, o que ela vê na verdade são os reflexos de luz daquele objeto. Esses raios de luz entram na córnea e passam pelo cristalino (a lente natural do olho que é afetada pela catarata), que direciona a luz para retina. A retina, por sua vez, converte a luz recebida em um impulso elétrico, interpretado pelo cérebro como a imagem de determinado objeto.8

Conforme as pessoas vão envelhecendo, há o desenvolvimento da catarata, onde uma proteína se acumula de forma anormal no cristalino e impede a passagem da luz, comprometendo todo o processo da visão.8

Mitos e Verdades sobre a catarata!

O MITO

A VERDADE

A catarata é uma doença que atinge pessoas de baixo poder aquisitivo.

A verdade é que a catarata atinge pessoas de todas as classes sociais. Os riscos para o desenvolvimento da catarata são:

  • aumento da idade, a partir dos 40-50 anos;4
  • existência de doenças como diabetes;4
  • tabagismo (cigarro) e consumo de álcool;4
  • exposição prolongada à luz solar.4

A catarata é uma doença de velhos.

Ao contrário do que muitos acreditam, a catarata ocorre após os 50 anos – ou seja, em adultos economicamente ativos. Dessa forma, a catarata NÃO é uma doença de pessoas idosas e essa perigosa crença pode levar à falta de diagnóstico e tratamento em pessoas entre 50 e 70 anos, causando perda significativa da qualidade de vida.4

Só há um tipo de tratamento para a catarata.

A única opção para tratamento da catarata é a cirurgia. Atualmente a cirurgia de catarata pode ser realizada totalmente através da técnica manual (tradicional) ou através de uma moderna técnica a laser. Hoje é possível realizar a cirurgia de catarata a laser através do equipamento LenSx Laser, com mais segurança e eficácia para os pacientes. Além disso, o paciente pode escolher entre diversas opções de lentes, incluindo lentes intraoculares de alta tecnologia, chamadas de “lentes premium”, capazes de tratar a catarata e, ao mesmo tempo, reduzir ou até mesmo livrar o paciente da necessidade de usar óculos para qualquer distância. Isso ocorre, pois essas lentes são capazes de tratar também outros problemas de visão pré-existentes do paciente, como o astigmatismo, miopia, hipermetropia e presbiopia.3 A decisão pela melhor opção de tratamento, que inclui a técnica e a lente, é individual e deve ser tomada pelo paciente em conjunto com seu médico.

Para poder tratar a catarata, é preciso já ter a visão comprometida.

A catarata deve ser removida por meio de cirurgia assim que os sintomas da doença começarem a interferir nas atividades do dia a dia, como dirigir, trabalhar, ler ou ver TV, uma vez que a perda da acuidade visual, mesmo que baixa, está relacionada diminuição da qualidade de vida e da independência. Há casos, entretanto, que a cirurgia é recomendada ainda que a catarata não esteja prejudicando essas atividades:4

  • quando a catarata atrapalha o diagnostico de outras doenças oculares;4
  • quando o paciente tem catarata nos dois olhos.4

Referências

1. Site da Johns Hopkins Medicine. Disponível em: http://www.hopkinsmedicine.org/wilmer/conditions/cataracts_faq.html.
2.Donaldson KE, Braga-Mele R, Cabot F, Davidson R, Dhaliwal DK, Hamilton R, Jackson M, Patterson L, Stonecipher K, Yoo SH; ASCRS Refractive Cataract Surgery Subcommittee. Femtosecond laser–assisted cataract surgery. J Cataract Refract Surg 2013; 39:1753–1763
3.Schneider J, Henderson BA. Categories of advanced-technology IOLs: overview. Int Ophthalmol Clin. 2012 Spring;52(2):1-10.
4.Site do National Institutes of Health (NIH). Disponível em: https://nei.nih.gov/health/cataract/cataract_facts Último acesso em 1 de janeiro de 2016.
5.Pipis A, Touliou E, Pillunat LE, Augustin AJ. Effect of the blue filter intraocular lens on the progression of geographic atrophy. Eur J Ophthalmol. 2015 Mar-Apr; 25(2): 128-33.
6.Site da American Optometric Association. Disponível em: http://www.aoa.org/patients-and-public/eye-and-vision-problems/glossary-of-eye-and-vision-conditions/cataract/cataract-surgery?sso=y Último acesso em 5 de janeiro de 2015.
7.Site do Centers for Disease Control and Prevention. Disponível em: http://www.cdc.gov/visionhealth/basic_information/vision_loss.html Último acesso em 1 de janeiro de 2016.
8.Site da American Optometric Association. Disponível em: http://www.aoa.org/patients-and-public/resources-for-teachers/how-your-eyes-work?sso=y Último acesso em 5 de janeiro de 2016.



LENSX LASER SYSTEM MS - 80153480158
LENTE INTRAOCULAR ACRYSOF IQ PANOPTIX MS - 80153480180
LENTE INTRAOCULAR DOBRÁVEL ALCON MS - 80153480174

@2016 Novartis Biociências S.A.