Leucemia mieloide crônica (LMC)

Tratamento da leucemia mieloide crônica (LMC)

Nas últimas décadas, o tratamento da leucemia mieloide crônica (LMC) evoluiu muito. Hoje, felizmente, existem inúmeras opções terapêuticas que permitem que mais da metade dos pacientes alcancem a remissão completa da doença, quando não há nenhum sinal da doença nos exames.1

Os tratamentos disponíveis para a leucemia mieloide crônica incluem quimioterapia, transplante de células tronco, infusão de glóbulos brancos após o transplante de células tronco, cirurgia para remoção do baço, medicamentos biológicos e tratamentos alvo-moleculares.2

O monitoramento no tratamento da LMC é tão importante quanto receber o medicamento. São os exames de monitoramento que vão mostrar se o paciente está respondendo bem ao tratamento ou não, porque a falta de resposta ou a perda dela não é sintomática, ou seja, o paciente deixa de responder ao tratamento sem perceber. O monitoramento pode mostrar, muito precisamente, por exemplo, uma resistência ao um tipo de medicamento. Com esse resultado, esse tratamento poderá ser rapidamente substituído. Quanto mais cedo for essa detecção, maior será a chance do paciente responder a outro tipo de tratamento, portanto, o monitoramento deve fazer parte do tratamento.

- Dra. Monika Conchon, onco-hematologista do Hospital Santa Marcelina, sócia e médica responsável do Laboratório inSitus Genética – CRM 64334

Entenda cada etapa do tratamento padrão da leucemia mieloide crônica (LMC):2,3

  • Terapias alvo-moleculares: os chamados inibidores da tirosina quinase são uma grande revolução da ciência e hoje tornaram-se o tratamento padrão para a leucemia mieloide crônica. Também chamados de terapia alvo, eles apresentam resultados cada vez mais promissores, pois combatem apenas as células doentes e proporcionam uma vida normal aos pacientes, com poucos efeitos colaterais.1,3
  • Quimioterapia: só é recomendada para aqueles pacientes que não responderem bem aos inibidores de tirosina quinase1. Impede o crescimento de células cancerígenas, seja matando essas células ou impedindo sua multiplicação.3
  • Medicamentos biológicos ou imunomoduladores: aumentam a capacidade do próprio organismo em combater o câncer.2
  • Altas doses de quimioterapia seguidas pelo transplante de células tronco: este procedimento só é recomendado quando a quimioterapia não apresentar resultado.1 Após a destruição das células cancerígenas pela quimioterapia, o paciente recebe as novas células tronco para regeneração do sangue.3 O tipo de transplante indicado é o alogênico, ou seja, por meio de um doador 100% compatível.1
  • Cirurgia para remoção do baço (esplenectomia): como um dos sintomas da leucemia mieloide crônica é o inchaço do baço, a cirurgia para retirada do órgão pode ser uma necessidade para alguns pacientes.3 Atualmente, é muito rara a realização da esplenectomia.1,3

Alguns fatores podem afetar as chances de recuperação e sucesso do tratamento, entre eles está o diagnóstico precoce da leucemia mieloide crônica.4 Além disso, a decisão da abordagem terapêutica para cada paciente leva em conta, por exemplo, o estágio da LMC, a idade do paciente e seu quadro geral de saúde.5

A importância do acompanhamento do tratamento

Uma parte fundamental do tratamento da leucemia mieloide crônica é o acompanhamento da doença. Para isso, uma série de exames são repetidos periodicamente, como forma de auxiliar o médico a avaliar o sucesso do tratamento prescrito e, se necessário, buscar uma nova opção terapêutica. Entre esses testes estão o hemograma, o exame citogenético e o PCR.6

Saiba mais sobre o acompanhamento do tratamento da LMC na cartilha da ABRALE.

Referências

1. ABRALE. Leucemia Mielóide Crônica – LMC. Disponível em: http://abrale.org.br/lmc/o-que-e. Último acesso em junho de 2016.
2.MedlinePlus. Chronic Myeloid Leukemia. Disponível em: https://www.nlm.nih.gov/medlineplus/chronicmyeloidleukemia.html. Último acesso em junho de 2016.
3.National Cancer Institute. Disponível em: http://www.cancer.gov/types/leukemia/patient/cml-treatment-pdq#section/_48. Último acesso em junho de 2016.
4.ABRALE. Câncer Infantil - Leucemia Mieloide Crônica (LMC). Disponível em: http://abrale.org.br/leucemia-infantil/lmc-infantil. Último acesso em junho de 2016.
5.National Cancer Institute. Chronic Myelogenous Leukemia Treatment (PDQ®)–Patient Version. Disponível em: http://www.cancer.gov/types/leukemia/patient/cml-treatment-pdq. Último acesso em junho de 2016.
6.ABRALE. Teste Molecular: Um guia para atingir suas metas de tratamento na LMC Ph+. Disponível em: http://www.abrale.org.br/docs/lmc/teste-molecular.pdf. Último acesso em junho de 2016.